31 de outubro de 2008

Hoje, talvez por ser o dia das bruxas, os alunos da minha escola resolveram tentar levar a cabo o que, orgulhosamente, intitularam de revolução. A ideia partiu de uma turma sossegadinha e apática do 8ºano…quem diria!? Surgiu de um acumular de situações que os têm vindo a desagradar e na sequência de um comunicado do presidente do C. Executivo que, face a repetidos actos de vandalismo, resolveu retirar-lhes algumas regalias (sala de convívio, matraquilhos, etc.) por uns tempos até que aparecessem os culpados. Quanto ao acto de se manifestarem, de tecerem algumas críticas à escola e exigirem o cumprimento de certos direitos, eu até acho bem…o pior foi a forma que escolheram para o fazer. Ora os mocitos da dita turma (minha ex-direcção de turma) resolveram escrever uma letra para uma música, que supostamente iria ser cantada por todos os alunos que quisessem alinhar no protesto, hoje no intervalo grande da manhã. A letra da música foi fruto de um impulso infantil que não previa nem media as consequências que dali poderiam advir. Era absolutamente ofensiva e destrutiva (OK, admito que algumas frases tinham a sua graça). As folhas com a letra circularam pela escola até que acabaram nas mãos do Executivo (BOMBA). De imediato foram chamados os mentores e numa negociação democrática, a canção de protesto foi cancelada e foi marcada uma reunião geral com todos os alunos da escola e o presidente do C. Executivo.

Quando vim almoçar a reunião ainda estava a decorrer. Estou mortinha por saber como terminaram as negociações. Uma coisa é certa, os putos conseguiram a atenção do órgão de gestão e de toda a comunidade escolar…espero que consigam algumas melhorias, que aprendam a exigir de forma correcta e sobretudo que entendam que para usufruirmos de certos direitos temos também que cumprir certos deveres.

Conclusão:
Acabei de descobrir que estou numa escola revolucionária!
A apatia é um estado meramente aparente!
Os meus alunos estão vivos!


Espera-me uma tarde de trabalho a fervilhar!

STAND BY

Despida de ideias!

Entre o ON e o OFF...

No estado nim, algures entre o não e o sim...

Entre o amor e o desamor....

Entre o sossego e o desassossego...

26 de outubro de 2008

Genes VERSUS Supermercados



A ideia para este texto (recuso-me a chamar-lhe post…não gosto do termo) surgiu-me há uns minutos quando estava a rever mentalmente a lista de compras que tenho que fazer amanhã no supermercado. De uma ideia nasce outra, que neste caso até não tem nada a ver com a inicial e dei por mim a pensar nos meus genes.
Mais à frente já vão perceber como o supermercado encaixa aqui.

Ora bem…a minha embalagem exterior não é mais do uma enorme carga genética que herdei do meu pai, já a minha maneira de ser não tem nada de pai a não ser dois ou três pormenores que não passam de perfeitas coincidências. A saber: 1º uma apetência inexplicável pelos nuestros hermanos , no caso do meu pai revelou-se nas escapadelas secretas (julgava ele) que dava aos fins-de-semana com um grupo de amigos para um qualquer clube duvidoso de espanholitas marotas…no meu caso a fixação por um espanholito também maroto mas de procedência menos duvidosa; 2º a mania absolutamente idiota de tomar café nas bombas de gasolina da zona (actividade que toda a família criticava e que eu, estupidamente, comecei a fazer assim que tive uma bomba de gasolina perto de casa, já lá vão oito anos); 3º o vício do tabaco e o gosto, menos viciante, por bebidas alcoólicas.

Da minha mãe herdei montanhas de genes: a altura e tamanho do pé, precisamente iguais; este meu arzinho que poderá parecer arrogante à primeira vista, mas que não é de todo; os problemas que já se manifestam nas articulações ósseas; as horríveis dores de cabeça que surgiram em ambos os casos na adolescência; os problemas de pele que já começam a dar sinais; um coração de manteiga que se esconde por trás de uma aparente frieza…sei lá…somos parecidas em tantas coisas. A diferença abismal que me ocorre neste momento é precisamente no que toca aos supermercados…sobre os quais eu nutro um ódio visceral e a minha mãe simplesmente adora (vê tudo ao pormenor, compara os preços e percorre se necessário toda a cidade para comprar artigos específicos em cada um deles).

24 de outubro de 2008

'A CULPA É TODA SUA, SRª MINISTRA!'

Não resisti a colocar aqui uma carta de protesto escrita, e muito bem, por uma colega... 'a sinistra ministra': 'A CULPA É TODA SUA, SRª MINISTRA!'

Se tiverem paciência vale a pena ler! Quem estiver por fora do assunto fica a saber um pouco mais sobre o que é, hoje, a vida profissional de um professor.
YUPIIIIIIIIIII

Já é sexta-feira!!!!!!

21 de outubro de 2008

Quem me manda a mim ser dorminhoca

Tenho por hábito deitar-me tarde. Por mais que me esforce não consigo adormecer antes da 1.30, 2 horas (isto nos melhores dias porque normalmente é mais tarde). Durante a semana levanto-me muito cedo, para dizer a verdade, quase de madrugada para os meus padrões. Resultado: à hora do almoço estou geralmente com um sono que dificilmente consigo suportar. Por isso, nos dias em que não trabalho da parte da tarde, quando estou nos últimos minutos de aula já só consigo focar-me na imagem da cama fiel amiga e no sossego do meu quarto.
Hoje foi um desses dias, “dia de sesta”…e a coisa correu mal.
Consegui dormir apenas hora e meia. Fui literalmente assaltada por um pesadelo de tal forma real, triste e incómodo que me obriguei a contornar o sono para acordar de imediato uma vez que não estava a aguentar a tortura psicológica. Já passaram algumas horas e as imagens e sensações desagradáveis não me saem da cabeça, parece que estão coladas à pele…

Detesto quando isto me acontece. É motivo para, quase, me estragar o resto do dia!

19 de outubro de 2008

APETECEU-ME...

...dizer-vos que já tive precisamente a idade do meu filho!

16 de outubro de 2008

Agora mesmo quando cheguei a casa resolvi dar uma espreitadela à minha caixa de correio abandonada que serve geralmente de albergue a caracóis inteligentes (o carteiro não passa por estas bandas).. Raramente a abro, mas nunca se sabe…por vezes penso que poderá lá estar algum recado.

Qual não foi o meu espanto quando me deparo com uma revista formato A5, imagem duvidosa na capa e com o sugestivo título “TOP SEX”. Não consta o ano da edição mas o preço da dita cuja ainda vem em escudos e as maminhas da menina da capa ainda são da era pré-silicone. Nem queria acreditar! Sou das poucas pessoas que aqui vivo durante todo o ano (apenas com o meu filho), de resto são casas alugadas a agências que por sua vez as alugam a turistas na época alta. A zona é portanto pacata e pouco concorrida.

Esta surpresa deixou-me um pouco preocupada…será que tenho um admirador secreto daqueles nojentos mas mesmoooooo nojentos? Será que anda por aqui algum tarado à solta????????......

DESABAFO

Ontem foi um daqueles dias que não deviam constar no calendário.
Foi, literalmente um dia de merd*!
Com certeza que o de hoje vai ser melhor pois pior é quase impossível.

14 de outubro de 2008

Um visitante irresistível

Ontem, no trabalho, aconteceu-me um episódio caricato.

Na minha primeira aula da manhã, os alunos de uma turma de 8º ano apresentaram-se à porta da sala com um misto de euforia e ansiedade contagiantes e um cão bebé…lindoooo, ao colo.
Este misto de angústia e excitação devia-se à incerteza de poderem ou não tomar conta daquele cachorro que encontraram perdido ou abandonado (!?) durante todo o dia de aulas. Garantiram-me que já tinham pedido autorização no Conselho Executivo e que o presidente da escola (certamente de ânimo leve e sem prever que o levassem para dentro das salas) tinha consentido que o bichano passasse o dia na escola. A ideia, utópica como calculei, era que no final do dia os pais de um dos alunos aceitasse com um sorriso de orelha a orelha mais um membro na família.
Ora eu, que não resisto, nem faço o mínimo de esforço em resistir ao olhar de um animal perdido ou abandonado…disse prontamente que sim, que aquela coisa mais linda podia fazer-nos companhia na sala desde que se portassem todos bem. Assim foi, o cão dormiu durante toda a aula (desenganem-se…não pensem que as minhas aulas põem a dormir o pessoal) e os miúdos fizeram de conta que nada de invulgar se passava.

Dei as aulas seguintes, tive uma hora de almoço e quando voltei a entrar, depois de fumar um cigarrito na rua, volto a cruzar-me com alguns alunos da tal turma com o irresistível cachorro ao colo. Estavam com um 2º problema: ”à excepção da stora Ana e da stora de Ciências mais ninguém nos deixou levar o cão para a sala (porque teria sido?), agora ainda vamos ter mais duas horas de aulas e não sabemos onde o deixar”…DESESPERO TOTAL! Nem pensei duas vezes: “Ó meus meninos, eu tomo conta do cachorro! Vai de novo para a minha sala. Já fez as necessidades, já bebeu água e tal e tal?” - SIM!!!!!...Irresponsabilidade ou impulso da minha parte…não sei?! Poderia não estar vacinado, ter parasitas e tal e tal, mas uma coisa tão fofa e com um olhar tão meigo por certo não poderia oferecer algum perigo para a comunidade escolar.
Assim foi! Levei-o comigo para a sala e, como era de prever, os alunos da turma que iam ter aulas comigo ficaram completamente tresloucados, desconcentrados e excitados com o novo “colega”. Pensei para comigo: “calma Ana, tu dás aulas há muito tempo e de certeza que és capaz de controlar a situação”…e controlei…durante 10 minutos. Eis senão quando o meu visitante resolveu levantar-se do seu cantinho, colocar-se numa posição suspeita, fazer alguma força e desatar a borrar-me a sala toda antes que eu tivesse tempo de dizer “AI”. Foi o caos!!!!!!!! Alunos a fugirem para perto das janelas, histeria total! O sacana apanhou-me desprevenida e a minha experiência não contemplava, até à data, uma situação tão complicada e caricata. Depois de algum tumulto e, reconheço, um ou outro (ou vários) gritos ameaçadores, lá controlei a situação, limpámos o local do crime e a aula decorreu lindamente…pudera, os putos, meus alunos pela primeira vez, tiveram a sua primeira oportunidade de ver a minha faceta de general das tropas do inimigo.

Hoje, na reunião semanal de conselho de ano, o mediático caso do cachorro abandonado veio à baila. A directora da dita turma, bem como grande parte dos meus colegas, estavam estupefactos com a ousadia dos alunos daquela turma e dispostos a aplicarem-lhes um pequeno “castigo” para que não tornassem a repetir a proeza “Estes miúdos são impulsivos e irresponsáveis, é impensável trazer animais para a escola, muito menos para dentro das salas de aula!” Eu, que era suposto “colocar o rabo entre as pernas”, porque senti que tinha culpas no cartório, discordei completamente de tal proposta! Que não se faça deste episódio uma regra mas sim uma excepção…este foi apenas um sinal de que estes miúdos têm sentimentos. E disse mais, se fosse eu, com a idade deles, não só teria levado o cachorro para a escola como teria faltado a todas as aulas se não encontrasse um sítio seguro ou alguém que ficasse a tomar conta do bichano.

Felizmente os nossos alunos não são apenas só números e esta geração não é tão rasca como se apregoa. Alguns valores, ainda que por vezes aplicados da forma menos correcta e mais impulsiva, existem. Quanto a mim, acho muito positivo e saudável saber que estes jovens não são apenas máquinas frias e racionais e que por vezes ainda são capazes de agir com o coração nas mãos… E VIVA A SENSIBILIDADE!

13 de outubro de 2008

PADRÕES

Tenho estado para aqui a reflectir e cheguei à conclusão de que tenho uma apetência inata em não aceitar padrões socialmente impostos. Geralmente quase tudo o que me preenche e me dá prazer não está previsto no rol das regras do “viver em sociedade”. Quando menos espero já estou metida até à ponta dos cabelos em situações confusas e com muito poucas saídas à vista, precisamente porque as que melhor se adaptam não estão previstas no receituário das boas normas de conduta.

Será que não estou apta a viver em sociedade, serei uma anarca ou uma marginal? Talvez uma extraterrestre!? Terei que me mudar para outro planeta?…talvez o Agostini…

Aceitam-se sugestões!

10 de outubro de 2008

DIOGO no seu melhor

Fui pela primeira vez, este ano lectivo, à escola do Diogo falar com o Director de Turma.
Sempre ouvi dizer que enquanto há vida há esperança e desde que ele entrou na escola primária que sustento esta filosofia...santa ingenuidade a minha!
DT: Pois...o Diogo perturba um bocadinho as aulas...
Eu: Mas é grave? Destaca-se dos outros?
DT: Não...é diferente! Funciona como o catalisador da turma...é um puto porreiro, inteligente, mas...

QUE CARAÇAS, O GAJO JÁ TEM 17 ANOS!

8 de outubro de 2008

GATARIAS

Acabei de terminar uma luta renhida entre um folhado de gila e a gata Sara. Que cena hilariante!

Eu, semi-deitada em cima da cama, a gozar a minha mordomia de quem não trabalha às 4ª de manhã …que faço não faço entre uma dormidela e outra? …Bem, um folhadito de gila até marchava! A gata Sara, até então sossegada e muito aninhada a dormitar nas minhas pernas, salta de rompão e torce-se, retorce-se desenfreadamente para me roubar o repasto. Afasto-a por diversas vezes e o seu focinho de gata gulosa à beira do desespero provoca-me um riso quase compulsivo que me dificulta ainda mais a árdua tarefa de degustação.

Pior mesmo foi quando, com aquele olhar de quem está possuída, se começou a babar a pontos de me salpicar a t-shirt toda…se um cão a babar-se é por si um cenário deprimente, haviam de ver um gato…é de ir às lágrimas!

7 de outubro de 2008

Miúdos Especiais

Estou na escola...

Vou dar aula de apoio ao “B”, é um miúdo tão querido, mas mesmo tão querido que sempre que me refiro a ele não consigo evitar um carinhoso “B…inho”. Tem síndrome de Asperger, o que significa em traços gerais que tem um mundo feito à sua medida.
“De uma maneira geral, os “aspies” (pessoas com a síndrome de Asperger) têm dificuldades na comunicação, dificuldades no pensamento abstracto e no relacionamento social. No que diz respeito à comunicação, podem falar com fluência, mas parecem não ligar às reacções das pessoas com quem falam. Além disso, têm dificuldade em entender metáforas, anedotas e entoações (frases como 'o gato comeu-te a língua?' ou 'isso para mim é chinês' podem gerar confusão).
Em relação às dificuldades nas relações sociais, ao contrário dos autistas 'clássicos', que normalmente estão ausentes e desinteressados do mundo que os rodeia, muitos “aspies'” querem ser sociáveis. No entanto, têm dificuldade em perceber sinais não-verbais, incluindo sentimentos traduzidos em expressões faciais, o que levanta problemas em criar e manter relações com pessoas que não percebem esta dificuldade.Outras características possíveis podem ser interesses obsessivos por determinados assuntos ou gosto por rotinas (por exemplo, insistirem em seguir sempre o mesmo caminho para a escola).”
O “B” é um miúdo aparentemente feliz, de bem com a vida e sempre com um sorriso contagiante. Faz-me perguntas desconcertantes que me deixam aflita e sem resposta pronta: “Porque é que me estás a pedir para fazer isto?”; “Porque é que disseste isso?”; “Porque é que estás a dizer que eles são tontinhos?”…

Tenho também, pela primeira vez, aulas com a “C” que tem Trissomia 21. Tem uma personalidade fortíssima. Falta sempre a uma das minhas aulas, vai para casa mais cedo. Nas aulas que assiste, nem me da hipótese de a conquistar, está sempre atarefada com as coisas dela, geralmente longos textos que vai escrevendo desorganizadamente, não consigo que se motive com as minhas propostas. Na última aula, fomos desenhar árvores para a rua, a “C” recusou-se terminantemente “Não posso ir para a rua porque tenho aula a seguir!” …não a consegui fazer sair da sala, fiquei 15 minutos com uma turma inteira ansiosa por ir para o exterior, sem poder por causa dela. Tive que pedir a uma funcionária que me ficasse com a “C”.
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Tudo isto para dizer que temos alunos muito especiais e que nem sempre estamos preparados para lidar com as situações. Apalpamos terreno e tentamos conseguir conquistá-los um pouco por intuição. O que pesquisamos na net nem sempre é suficiente para agirmos da melhor forma…fazemos os possíveis e os impossíveis por amor à profissão e a estes miúdos, será que estamos a fazê-lo da forma mais correcta???????

4 de outubro de 2008

CONTESTATÁRIA..ou não!?

QUE SE LIXE, não me apetece fazer os T.P.C.!

OK, OK, OK...assim que me passar esta horrível dor de cabeça que até me provoca náuseas, prometo que vou pôr mãos-à-obra! Foi só uma ideia disparatada que me passou pela cabeça.

2 de outubro de 2008

Hoje está a ser um daqueles dias especiais em que um sorrizinho idiota teima em colar-se-me à cara!

"E porquê?"...Perguntam vocês.
"Porque sim!"...Respondo eu!

Cantinho do ANDARILHO

Carissímos leitores, estou a pensar seriamente em abrir aqui uma sucursal para o andarilho, mediante uma quantia simbólica apenas para os gastos necessários. Entretanto, enquanto trato da burocracia podem usar o modesto espaço que se encontra no final do texto "comentários" para lhe deixarem os vossos recados. Ele (cusco como é) certamente irá lê-los.


Nota: A foto que acompanha o texto foi utilizada sem autorização do proprietário. Se por ventura desaparecer sem aviso prévio foi porque o supracitado não gostou mesmo nada da ideia. Eu, pessoalmente, até acho que está muito favorecido...com um ar sério, de pensador.

1 de outubro de 2008

PICASSO parte III

Amanhã (hoje), o meu dia sem actividades lectivas, lá vou eu com mais dois colegas e uma "fornada de alunos" a uma visita de estudo à exposição "Olhar Picasso". Vamos de comboio e é uma verdadeira aventura, já é a 3ª vez que lá vou. O espaço está muito bem organizado e, atendendo a que é uma galeria, as obras que conseguiram juntar foram no geral bem escolhidas...mas 3 vezes também é obra, confesso que estou a ficar um bocadinho farta, apesar de que quem corre por gosto não cansa. É reconfortante ver que a nossa rapaziada, que raramente ou nunca teve acesso a uma mostra cultural, até encara a coisa civilizadamente, com alguma curiosidade e interesse e sobretudo sem fazer muitos comentários despropositados.
As raparigas que acompanham as visitas guiadas, são uma simpatia mas taditas, estão muito mal preparadas, não têm a lição bem estudada, alguns dos nossos putos quase que desempenhariam melhor o papel (estou a exagerar só um bocadinho).

Gostei particularmente da mostra de fotografias. Fiquei a saber alguns pormenores engraçados da vida pessoal do mestre...tinha de facto uma grande pancada.

obrigada pela visita!

pessoal que gosta de estar a par destas andanças

facebokiANOS a par desta coisa