15 de maio de 2010

coisas que me andam a fervilhar na cabeça desde os 20 anos, ou, se preferirem, escrituras com muito interesse para a mim e nenhum para vocês


Um dia, quando sentir que o momento é propício, nem que seja aos 60 anos (bonita idade que diga-se de passagem já esteve muito mais longe)
, e porque estou convicta que nessa altura ainda terei muita genica para fazer coisas...BAZO DAQUI PARA FORA!

Desde quase sempre, me acompanhou esta sensação (por vezes incómoda) de que ESTA não era vida para mim.

Talvez desde o dia em que nasci afogueada no cordão umbilical que se teimou em enrolar-se à volta do meu pescoço, enquanto a minha mãe aguardava em ânsias a chegada da "parteira encartada"...

Talvez desde a infância com a cabeça 3 vezes partida (situações pouco comuns a uma menina bem comportada...que se supunha com laçarotes cor de rosa na cabeça e não com uma colecção de buracos e pontos cosidos a frio), em que chorava desalmadamente baba e ranho sempre que me sentava numa cadeirinha feita à minha medida, para ouvir as estórias da minha mãe (que pena tenho não ter herdado o jeito para as saber contar)e em que, com 3 e 4 anos, me apaixonava perdidamente pelos amigos do meu irmão, onze anos mais velhos do que eu...

Talvez desde a pré-adolescência, em que gritava slogans em defesa do proletariado e colava cartazes políticos, ainda quase proibidos, em paredes da cidade, a horas impróprias para uma menina daquela idade (em escapadelas irresponsáveis com os irmãos mais velhos, enquanto os pais dormiam sonos profundos), ainda que sem saber ao certo ao que andava, mas perfeitamente convicta que preferia ser uma defensora da classe operária, a uma tontinha agarrada às Barbies...

Talvez desde a adolescência em que em gostos bizarros, comia a canja da mãe, com batatas fritas caseiras, ou se as houvesse, cerejas cristalizadas, a boiar no prato junto dos bagos de arroz. Em que esculpia caixões com garfo e faca, no puré de batata, até deixar a mãe roxa de nervos...

Com o passar dos anos, cultivei a esperança de que, não sem algum esforço, me tornaria uma adulta "normal", ou quase...como se querem os adultos. Engano meu! Continuo com as bizarrices, a comer as sobremesas e os cafés, antes da refeição, se assim me apetecer e porque a comida vai toda parar ao mesmo sítio. Viciei-me no café, pouco desejável e em copo de plástico, da bomba da gasolina, porque não tenho paciência para estar sentada nos "Cafés", à séria.

Fui desenvolvendo uma aversão, que vai aquecendo em banho-Maria às obrigações banais e do que era suposto ser uma boa dona-de-casa, ou uma mãe tradicional (desenganem-se os mal intencionados, porque não são só defeitos, sou muito organizadinha e encontro soluções no meio disto tudo).

Começo, seriamente, a cansar-me desta maldita rotina, desta, por tantos almejada, NORMALIDADE.

Não nasci para ser funcionária pública...
Não nasci para contar tostões, nem para pagar empréstimos a peso de ouro...aliás, não fui mesmo programada para lidar com a pressão dos dinheiros.
Não nasci para passar a ferro, para limpar o pó e para cozinhar por obrigação a horas certas.
Não nasci para me enfiar em supermercados...


Acho que está quase, quaseeeeeee, a chegar a minha hora de adquirir alguns direitos (porque a idade é um posto)...
Comer e beber quando me apetece
Dizer e ouvir, o que me apetece
Escolher estar com quem me apetece
Rir e chorar quando me apetece

...tentando, contudo, não ferir a liberdade dos outros, porque no fundo, não sou uma besta.

Um dia, já não assim tão longe, BAZO!!! Vou para um sítio onde me sinta verdadeiramente útil, onde sinta que faço alguém verdadeiramente feliz. Onde possa, descalça e com T.shirts coçadas do Sol, ajudar alguém. Despida de todas as hipocrisias que esta sociedade arrogante, que se acha o padrão, o modelo, nos envolve e se nos impõe escandalosamente.

Assim que as pessoas que me são mais queridas, ganharem asas para voar para distintas paragens...assim que me puder dar ao luxo de sentir saudades...VOU!

A rotina mata-me lentamente...sou, definitivamente, uma mulher de paixões...


_____confissões do meu umbigo_____

10 comentários:

catwoman disse...

Somos duas, desde sempre a detestar a rotina, a querer virar a mesa, mas sentindo a obrigação da normalidade, também eu sinto que um dia vou sentir a liberdade de fazer o que me dá na real bolha, já ando a 1/2 gás mas não o posso fazer totalmente pq tu tens uma vantagem: só 1 filhote já crescido, eu tenho 2 lindas, mas a que me vai fazer deixar a âncora semi-poisada é a mais nova. assim que puder vou voar, não sei para aonde mas vou.Já levanto meio voo, vou levantar o voo completo, tal como dizes nem que tenha 60.Também não nasci para limpar, arrumar, passar a ferro, de cozinhar gosto,mas não como obrigação.
Bjs.

Pronúncia disse...

Ai, isto está bonito, está!

Esta é a semana das coincidências em termos de postas... acreditas se te disser que ando com uma posta a fervilhar na cabeça que trata mais ou menos disto?!... de um dia, deixar tudo para trás, vaguear sem destino, ao sabor das vontades...

Bom sábado! Se quiseres vir jantar com je umas tapazinhas num sítio simpático estás convidada :)

Meio Cheio disse...

Todos nós queremos e buscamos sempre algo mais...a ambição está no sangue. Mas essa sempre foi uma minha tambem e estou a tratar de sair daqui em breve, nem que seja para voltar e partir novamente...não quero é ficar parada...não gosto de rotinas e irrita-me que tudo dependa tanto de dinheiro. Mas estou disposta a fazer de tudo para ser feliz e o resto é conversa!

Boa sorte para esses planos...que passem de momentos de divagação para a prática =)
um dia encontramonos numa alguma rua no meio do nada ^^

Beijo*

Ana GG disse...

Cat

Regra geral, quase toda a gente detesta a rotina, mas na prática muito pouca gente faz alguma coisa no sentido de a contrariar.

Esta minha vontade de sair, já vem de longa data, antes de terminar o curso.
Às condições não se têm reunido. Não estou estou apenas à espera que o filho ganhe asas. A minha mãe também precisa de mim (como eu dela), por isso, nunca a deixaria por cá sozinha.

bjo

*espera pacientemente que possas içar a tua âncora...

Ana GG disse...

Pron

Atrasaste-te na "posta"...AHAHAHAH

Os meus planos não passam propriamente por viajar sem destino ao sabor das vontades (embora essa ideia também me agrade)...passa por viajar para um destino e ficar por lá a dar o meu contributo, sem ou com muito poucas contrapartidas, apenas com o suficiente para comer e para vir visitar o filho.

Espero que as tapas tenham sido boas. Um dia destes, vens comer uma sardinhada comigo.

; )

Ana GG disse...

Meio Cheio

A ambição faz-nos mover, ter algo para alcançar, objectivos...faz-nos manter vivas.

Nunca desistas, continua sempre, a fazer TUDO para que sejas cada vez mais feliz.
(caramba, pareço o Paulo Coelho...fosga-se!!!!!!)

Pode ser que um dia nos encontremos nalguma rua, no meio do nada ou de muita coisa...
: )

*estou com o copo meio cheio, literalmente...

cmarinho disse...

Curiosamente, muita gente tem essa vontade. Quando estava no meu secundário, eu e um grupo de amigos decidimos fazer o mesmo, ajudar pessoas necessitadas, já não me lembro para que país era. Como éramos adolescentes e tal os paizinhos não nos deixaram ir. Não passou só de conversa, o que foi pena, pois teria sido uma experiência única.
Quem sabe um dia isso se concretize, o que seria bom ir com o mesmo grupos de amigos e relembrar o tempo do secundário, onde fazíamos planos para tudo.

Aninha espero que concretizes todos os teus sonhos e planos. Acho que não há nada como uma pessoa chegar à velhice, já com uns 80 aninhos ou mais, e relembrar com saudade tudo o que vivemos com grande parte dos nossos sonhos concretizados.

Espero chegar lá, ainda tenho muitos aninhos pela frente. :)

Beijinhos

Ana GG disse...

"Minha" Cláudinha

Ainda estás muito a tempo, estás na idade certa para perseguir os sonhos e para te aventurares.

Contrariamente aos teus, o meu (neste caso concreto), sempre foi um plano/sonho, solitário. Ir sozinha....

bjo

Dylan disse...

Isso...solta essa raiva que há em ti. I like it!...

O que tu queres é passar todo o dia nas praias algarvias sem fazer nenhum!

AHAHAHAHAHAHAAH!

Ana GG disse...

Dylan

Não é raiva, é desânimo!!!!!!

Por acaso até nem sou mocita de praia....nunca ouviste dizer que "dá Deus nozes a quem não tem dentes"?


obrigada pela visita!

pessoal que gosta de estar a par destas andanças

facebokiANOS a par desta coisa