22 de janeiro de 2010

desespero



uma amiga do meu filho suicidou-se esta noite...tinha 17 anos. aparentemente, estava bem...

questiono-me sobre a vida
tenho medo


(não encontrei uma imagem, capaz de exprimir o desespero)




20 comentários:

Gingerbread Girl disse...

Que horror!!!!

Dasss

O que me assusta, é que os adolescentes que fazem estas coisas normalmente parecem "normais"... e os pais não se apercebem do desespero em que estão.

Abraço*

meldevespas disse...

Santo Deus....estas coisas deixam-me numa vertigem desgraçada...deixam todas as mães acho eu. É uma angustia sem fim, também nós já fomos adolescentes, também já tivemos as magoas e os amores e dasamores deles, mas agora deste lado da barricada, lembramo-nos de quando quase deixava-mos de respirar por uma coisa de nada, e queremos agora força, vitalidade, nos nossos filhos, e tantas vezes nos foge das mãos o "como fazer"...é uma tristeza muito grande, mesmo..

LBJ disse...

Nem sei o que te dizer... Dá um abraço ao Diogo por mim.

Bêjos

rose disse...

Tristeza.Muita.
" Morrem jovens aqueles que os deuses amam"
Que assim seja.

Vitor disse...

Pois…a coisa agora, e desculpa a ironia, pegou moda…no sábado enforcou-se um amigo meu…e vão dois no espaço de um mês…por razões que a razão desconhece, a “puta” da vida leva a estas coisas!

Bj*

Who Am I disse...

Ana menina,

Por isto acho que a vida é uma corda invisível muito fininha e que se nos esquecermos de como a ir reforçando...partimos. Acho que é bom termos medo e incutir medo nos mais novos e mais frágeis, porque quando se perde o medo é que acontece isto.

beijinho muito grande, um xi-coração e força para ti e para o teu filho

catwoman disse...

Ana, gostaria de ter algumas palavras sábias, ou uma fórmula mágica para atenuar esse desespero,essa dor, tua,do teu filhote, dos outros amigos e, especialmente, dos pais; infelizmente não tenho a sabedoria a morte de uma"criança" deixa-me sempre assim, mais uma vida desperdiçada, uma vida tão jovem. Depois, somos mães, somos educadoras e colocamo-nos tantas questões. Só posso dizer que se puder ajudar de alguma forma, conta comigo.
Um beijinho, também para o teu filhote que não conheço e muita força.

Pronúncia disse...

Quem não se questionaria?...

Força!

Dylan disse...

..................................

Ana GG disse...

Ginger
meldevespas
LBJ
rose
Vitor
Who
Cat
Pronúncia
Dylan

Agradeço-vos a preocupação e as palavras de apoio.
Sinto-me, porém, na obrigação de esclarecer alguns pontos que o texto omite e que deram azo a uma interpretação diferente da que foi minha intenção.

A miúda era amiga do meu filho, mas não muito chegada. A sua morte, (desta forma violenta - por enforcamento, e inesperada), provocou, aos jovens que se cruzavam com ela diariamente, um choque brutal.

O desespero a que me referia, é uma das palavras que, na minha perspectiva, melhor poderá descrever um acto suicida.

A mim, para além de lamentar profundamente, deu-me mais uma vez muito que pensar...
O medo que me fez sentir, é o reflexo de ser mãe, também, de um adolescente que por vezes luta, julgo que desesperadamente, por se encontrar.

Mais uma vez obrigada a todos!

Anónimo disse...

Viver, queiramos ou não, é um supremo vício. E os vícios acabam no preciso momento em que o decidimos. Essa decisão nunca foi, e nunca o será, sensata, mas é a única em que determinamos tudo. E como renunciar a sermos Deus no momento de apagar o interruptor?

Anónimo disse...

http://macaconaprisao.blogspot.com/2010/01/blog-post.html#links

Anónimo disse...

oops, era este e não o anterior, que visitei hoje e muito explica:

http://macaconaprisao.blogspot.com/2010/01/o-recluso-palavra-mais-feia-tende-ver.html#links

Ana GG disse...

Anónimo

Julgo que sejas o mesmo anónimo que comentou um dos posts anteriores (dúvidas existenciais) a quem eu não dei resposta por ter ficado meia "abananada". Assim sendo, e para não passar por mal-educada, aproveito para te dar as boas vindas com algum atraso.

Nunca pensei a vida desse modo, não consigo assim responder-te de uma forma honesta…é caso para pensar. Assim, um pouco por impulso e sem a devida análise que a tua frase merece, não me parece que a vida seja um vício (ainda mais pertencendo eu àquela "raça" dos fracos a quem os vícios vencem às decisões finais…malditos cigarros), suprema, sim.
É de facto a única decisão em que determinamos tudo, embora muitas das vezes, seja fruto de um acto momentâneo de desespero, impensado e do qual, suponho eu, a pessoa que o comete, se arrependeria no instante seguinte.
Uma miúda desta idade, ainda não teria por certo tantas certezas. Talvez a intenção não fosse desligar o interruptor de vez e apenas dar um sinal de luzes. Talvez…

Visitei o site que indicaste (o teu????), vou voltar. Notei algumas angustias…

Volta sempre, gosto que me façam repensar a vida!

PS. Imagino que se usasses caneta de aparo para escrever os comentários, rasgarias a folha de papel com a pressão que farias. Desculpa a imagem, mas é de facto como te "vejo". Zangado com o mundo!?

Vitor disse...

Ana,como não escreveste mais nada,e desculpa o despropósito,sendo que a vida não é feita só de angustias e desilusões...hoje orgulhei-me da Ana Paula,minha mulher,que terminou com êxito e destinção o curso das "novas oportunidades"...compreendo que não seja o momento ideal para lhe dares os parabéns,de que ela haveria de gostar, de um post que acabei de escrever em sua homenagem...fá-lo quando achares por bem...estou na dúvida se este comment's vem a propósito...apenas e só para lembrar que também temos coisas boas na vida!
...Se for o caso do despropósito do cementário,peço desculpa a quem de direito!

Bj*

Pulha Garcia disse...

A depressão é um guerra muito presente no mundo de hoje. Sucede que nos adolescentes a vulnerabilidade é maior, porque tudo parece mais negro também. Lamento pelos pais. Muitas vezes ficam com sentimentos de culpa sem terem podido fazer nada de diferente. E noutras vezes (não estou como é óbvio a dizer que foi o caso) têm motivos para se sentirem bem culpados.

Seja como for a vida continua para quem fica. E são esses que precisam do nosso apoio.

Sílvio Silva disse...

pucha...que horror...desgosto de amor? desespero com a vida?

Ana GG disse...

Vitor

Estás à vontade...
Parabéns à tua mulher! Já lá vou deixar um comentário.

:)

Ana GG disse...

Pulha

Os estados depressivos são muito complexos.
No caso desta miúda (que afinal tinha apenas 16 anos), não era visível, pelo menos para quem lidava com ela.

As culpas...nem sempre se podem atribuir a alguma coisa ou pessoa. Nós é que temos esta terrível mania de tentar encontrar explicações lógicas para tudo.

A vida continua, pois...

Ana GG disse...

Sílvio

Não faço ideia, diz-se tanta coisa.... Também acho que o "porquê" não seja muito importante agora. Só ela poderia dizer porque o fez.


obrigada pela visita!

pessoal que gosta de estar a par destas andanças

facebokiANOS a par desta coisa