3 de julho de 2009

Os portugueses...as "minis" e os tremoços

O que li num dos blogue que gosto e visito com alguma regularidade (algures, perto de si), inspirou-me para escrever sobre nós, este povo peculiar e um tanto bipolar que somos…os portugueses.

Está-nos no sangue a necessidade das lamentações, da sobrevalorização. Achamos, quase sempre, que somos os piores e os últimos a chegar, achamos, quase sempre, que "a galinha da minha vizinha é sempre melhor que a minha".

Nunca estamos bem, estamos sempre mais ou menos ou vamos andando…

A nossa auto-estima geralmente anda por baixo e nos momentos em que nos sentimos de bem com a vida vem sempre alguém que nos tenta apagar o fogo "tu vê lá que isso não é bem assim"…

Oscilamos entre a euforia e a melancolia...eu gosto disso! São estas mudanças de humor que nos tornam únicos, não tão salerosos e histéricos como os espanhóis ou os italianos, nem tão frios como os ingleses ou os nórdicos.

Somos um misto entre o bom gosto e a piroseira total.

Eu, gosto do requinte do bom gosto e acho imensa piada à piroseira. Haja criatividade e tudo é recebido de braços abertos.

Gosto do pé descalço mas também de um bom par de botas. Gosto do restaurante em que me tratam como uma rainha mas também adoro a tasca em que tenho que limpar a mesa antes de pousar o prato.

Gosto da gargalhada solta, sem pudor e da brejeirice sem maldade e com malícia, mas também gosto dos silêncios de ouro e de frases poéticas e mais elaboradas.

Gosto de nós, dos portugueses, gosto pois!

Ah, já me esquecia…também gosto da "mini" e dos tremoços!

Na minha cabeça sobrepõem-se centenas de considerações sobre nós, enquanto povo. Acontece que de repente me deu uma preguiça enorme de as passar para o teclado. Posto isto, vou-me retirar sorrateiramente e um destes dias, se me der vontade, acrescento mais uns pontos ao texto.

11 comentários:

Princesa (des)Encantada disse...

Pois é, Ana. Eu acho que todo o ser humano tem necessariamente de ter altos e baixos. Somos feitos de contrastes e dualidades. O que e acho que diferencia o nosso povo é que somos, provavelmente, melhores a expressar os vários estados de alma. Tanto cantamos os lamentos em fados tristes como as alegrias em corridinhos. Convenhamos que sempre é mais agradável a anormalidade da variação. Por isso só nós podíamos variar tanto como ter uma Teresa Salgueiro ou uma Marisa, mas também um Quim Barreiros e um Toni. Já para não falar do António Variações... :)

AnaGG disse...

Princesa
É precisamente isso a que me refiro. É a riqueza desses contrastes e a capacidade que temos de os expressar que nos torna únicos.
:)

LBJ disse...

Pois é também gosto do que tu gostas e mesmo às vezes com pena não consigo deixar de ter orgulho de pertencer a esta raça :)

Margarida disse...

Ó princeeeeeesaaaaa!!!! Andas feita uma preguiçosa que só visto...Já nem ao blog te dedicas?

forteifeio disse...

Enquanto vais e vens, deixa aqui as minis e os tremoços.

Pronúncia disse...

Boa definição do tuga!

Já agora, apesar de tudo, eu cá adoro pertencer a esta raça!

Também gosto do que tu gostas, afinal somos portuguesas, não?! :)

AnaGG disse...

LBJ e Pronúncia

Talvez por também gostarem do que eu gosto é que também gosto de vocês.
:)
Também tenho orgulho em ser portuguesa (embora por vezes tenha umas recaidazinhas).

AnaGG disse...

Margarida, Margaret ou Princesaaaaa

Como sabes sou uma mulher ocupada!
;P

PS. Vai mas é pensando na feirosca do dia 19.

AnaGG disse...

Forte

Tu não me digas que não te serviste!?
;)

The one you know disse...

Acabaste na altura certa. Escrever no teclado, não devia ser muito saudável para o teu computador. Depois não vias as letras...

Ana GG disse...

The one you know

Bem vindo!

"Acontece que de repente me deu uma preguiça enorme de as PASSAR para o teclado..."

?????? Escrever no teclado????
:S


obrigada pela visita!

pessoal que gosta de estar a par destas andanças

facebokiANOS a par desta coisa