15 de novembro de 2008

Eu, Ana me confesso

A minha falta de ideias, o meu marasmo e passividade perante quase tudo o que me rodeia têm como pano de fundo questões sentimentais…por mais que queiramos, este nosso lado acaba por influenciar e condicionar toda a nossa postura perante a vida (estou errada???). Pois é! Uma paixão que se encaixa no sítio errado, ou que não se encaixa em lado nenhum, pode provocar muitos estragos. Torna-nos pessoas mais amargas, retira-nos grande parte do sentido de humor e limita-nos a capacidade de criação. Estão à vontade para pensar/achar “Que caraças, cá está outra gaja mal amada…outra frustrada!” Se calhar é mesmo isso, difícil mesmo é admiti-lo, sobretudo para quem não está habituado.
Aliados a estes factores, existem obviamente outros muito mais graves mas que de momento não conseguem ter tanta importância para mim.
Como tal, e, porque não posso continuar nesta estupidificação, vou adoptar um conselho de uma amiga: reagir como se fizesse parte dos Alcoólicos Anónimos, por objectivos, curtos...“hoje consegui controlar a minha impulsividade e não lhe escrevi um e-mail”…"hoje consegui retirar prazer de outros pensamentos"..."hoje consegui compreender que apesar dele gostar de mim, como diz, não é o suficiente e esta merda não me leva a lado nenhum"...
Outro amigo deu-me esta preciosa ajuda: “Motiva-te!”…vou também segui-la à risca “1,2,3…acho que já estou motivada!”

1ª Etapa da cura: Ir de imediato beber uma cervejola ou um copo de vinho (únicas bebidas que consigo ingerir sem companhia);

2ª Etapa da cura: Voltar a postar (ai esta palavra que me incomoda tanto), nem que sejam assuntos assim para o merdoso, mas que podem sempre funcionar como terapia e valer pelo esforço ;)

3ª Etapa da cura: Digitalizar uns desenhos lindoooooooos dos meus alunos e colocá-los aqui ainda hoje, só porque acho que merecem ser partilhados;

4ª Etapa da cura: Telefonar para alguns amigos e saber o que se vai passar esta noite.

Que alivio, já me sinto muito melhor!
(Provavelmente um diário também resultava!)

P.S. Coloquei uma foto minha porque sim!

5 comentários:

ANDARILHO disse...

É por isso que eu gosto de ti!
Amanhã à noite saímos? ;)

Beijossssssssssssssssssss

P.S. Ameiiiiiiii este post. És tu!

Kika disse...

Eu, uma pessoa que sou experimentadisiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiima nas lides das coisas do coração, e que já passei por situação igual, ou seja gostar de alguém mas que me fazia sofrer horrores pela situação que viviamos(e perder quilos, o que era uma vantagem!), tenho para mim, que um amor não pode fazer-me passar mal. Não faz sentido! Por muito, imenso, que se goste do outro.
E acredito também que duas pessoas podem adorar-se, querer-se, amar-se mas não conseguir estar juntas.
Da mesma forma que acredito que quem ama de verdade tudo resolve. E em conjunto.

Beijos...motivadores espero!

Ana GG disse...

Andarilho
Amanhã à noite não podemos sair porque n segunda acordo muito cedo e fico com sindroma pré-despertar umas 12 horas antes.

Pois, sou mesmo eu,a autêntica, a genuína!

Bjosssssssss

Kika
Pois este "amor" não me está a fazer passar mal...está é a roubar-me as energias, a desviar-me do essencial, sei lá...a tirar-me a paz. Mas no fundo sabe-me bem.

Estou absolutamente de acordo com o teu último parágrafo!

Ainda me estou a mentalizar para a tal "motivação repentina" sem um bom motivo ;)
bjo

Silvia F. disse...

Oh Ana,

Não haverá melhor motivação o pensarmos que nenhuma paixão merece o nosso sofrimento?
Acho que não existe ninguém no mundo que não tenha vivido uma desilusão.
Também tive a minha dose, inclusivamente tive uma paixão que levou muitos meses a passar MAS passou! E realmente é verdade: o que não nos mata torna-nos mais fortes.
Claro que não conheço a tua história mas o que me ajudou bastante a ultrapassar foi escrever a papel os defeitos da pessoa. Ao escrevê-los dei-me conta que os defeitos eram superiores as qualidades logo jamais poderia dar certo.
Também escrevi um email dirigido a ele, dizendo o que achava, insultando-o do pior... claro que nunca o enviei mas aliviou-me bastante.
Se o tivesse enviado, hoje lamentaria.

Se enviares um email poderás arrependeres-te amargamente porque quando estamos mais vulneráveis dizemos coisas que não eram supostas dizer.
O impulso pode tornar-se negativo.
Deixa passar um tempo e se ainda tiveres vontade de escrever-lhe, nessa altura já terás as ideias mais arrumadinhas e o teu bom senso certamente ditará um email maduro sem réstias de "desespero".

Os homens geralmente odeiam mulheres desesperadas. Há que dar espaço, se não houver volta é porque não valia mesmo a pena.

Desculpa pelo "testamento", pode até nem se encaixar com o que estás a viver.

Os desenhos são lindos e muito criativos. Que bons alunos tu tens! :))

Beijinhos

Ana GG disse...

silvia f.
Obrigada pela preocupação e pelos conselhos :)
Esta minha "paixão" é uma coisa diferente, complicada (é engraçado estar a falar destes assuntos aqui)...
Não posso escrever a tal carta ou e-mail com os defeitos porque esse não é o problema, de todo. Também não estou desesperada (felizmente), estou só um bocado desconcentrada, digamos que a atirar para o amorfo. Isto passa, o problema é que vou ter muita pena quando passar! Confusa!? NÃOOOOO!!!!!

Ainda bem que gostaste dos trabalhos dos meus miúdos...estou toda babada!

beijinhos


obrigada pela visita!

pessoal que gosta de estar a par destas andanças

facebokiANOS a par desta coisa